sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Entrelinhas




Fotos em preto e branco, texto num papel encardido, devaneios e lembranças. Algo que já nem lembra mais.
À sombra do que via, à via do que vai, entendendo as entrelinhas, não se abandona, não se perturba, apenas assiste uma antiga e fiel previsão.
E  quando fala, nem sempre sabe, é tudo suposição, já nem tem sonhos, já nem ri mais, se acomoda, se conforma em ver pela janela do trem a paisagem vibrante lá fora. Mero espectador. Apenas isso.
Eis que morre um menino e nasce um homem.
Um triste cenário, desenhado por quem desiste.
Desiste de ter, de ser, de sonhar. Por escolher o que é mais fácil, e não o que se deseja.
E mais uma vez se vai. Mais uma vez em vão.

8 comentários:

  1. :// lametável

    Dry Pinho

    ResponderExcluir
  2. Tantas pessoas tem o seu dia de cão, outros tem uma semana triste... A vida nesses novos tempos de caos trás consigo a dor e tristeza para gente de pouca fé.

    ResponderExcluir
  3. eta alma de poeta!rs
    mto bom Tal,vc tem o dom.
    continue postando e despertando reflexoes p nos:).
    um abraço filho,Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Desistir de ter, de ser, de sonhar, jamais. Seguir em frente sempre meu poeta.

    ResponderExcluir
  5. Desistir de ter, de ser, de sonhar, jamais. Seguir em frente sempre meu poeta.

    ResponderExcluir
  6. excelente!! lindissimo! um filosofo nato!
    sou seu fã

    ResponderExcluir
  7. Simplesmente PERFEITO!

    ResponderExcluir